Estudiosos de Harvard afirmam que café reduz risco de câncer de pele

 

Navegando no Protetores da Pele, achei um artigo bem interessante, e que as fãs de café vão adorar!

 

Olha só:

Cientistas da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, descobriram que o consumo regular de café pode evitar um dos tipos de câncer de pele mais comuns.

Para quem gosta de café, a notícia não poderia ser melhor. Os pesquisadores acompanharam a dieta de quase 113 mil americanos, durante 20 anos, e compararam dois grupos: o que tomava mais de três xícaras por dia e o que consumia apenas uma xícara ou evitava a bebida.

Os cientistas descobriram que entre as mulheres que tomavam mais de três xícaras diariamente, o risco de desenvolver o carcinoma basocelular foi 21% menor. Este é um dos tipos de câncer de pele mais frequentes. Entre os homens, o café também demonstrou benefícios, mas em um índice menor, 10%.

O café tem uma quantidade enorme de substâncias como minerais e aminoácidos, mas os pesquisadores acreditam que a cafeína é a responsável pela proteção contra esse tipo específico de câncer de pele. O que eles ainda não sabem é exatamente como ela atua.

A pesquisa continua e os cientistas de Harvard alertam: não adianta sair por aí bebendo mais café. Isso pode causar irritação no estômago e atrapalhar o sono. A melhor proteção ainda é livrar a pele do excesso de sol.

 

Artigo aqui

 

Vamos tomar muito café? Prevenir é sempre melhor! :D

 

Filtro solar reduz rugas e flacidez da pele

Encontrei essa reportagem no site da CI e achei bem interessante, resolvi compartilhar!

 

Desde que foram inventados, os cosméticos multifuncionais sempre fizeram sucesso. Seja um xampu que age também como condicionador, seja um esmalte que embeleza e fortalece as unhas, a praticidade de um único produto atuar em vários problemas costuma atrair muitos consumidores. Pensando nisso, uma equipe de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto desenvolveu um filtro solar que, além de proteger a pele, reduz as rugas e combate a flacidez. O cosmético tem em sua fórmula extratos vegetais de ginkgo biloba, algas marinhas vermelhas e as vitaminas A, C e E. As substâncias melhoram a textura e a elasticidade da pele, estimulam a renovação celular, hidratam e diminuem as rugas. De acordo com a coordenadora da pesquisa e professora do Laboratório de Tecnologia de Cosméticos da USP, Patrícia Campos, as substâncias com propriedades de filtro solar são moléculas orgânicas capazes de absorver a radiação solar, transformando-as em radiações com energias menores. É uma espécie de transformação de calor em radiação fluorescente, que é inofensiva ao organismo humano. “As vitaminas e os extratos vêm sendo muito empregados em formulações cosméticas, na tentativa de proteger a pele contra o fotoenvelhecimento, uma vez que essas substâncias apresentam potencial antioxidante e, consequentemente, poderiam neutralizar os radicais livres produzidos na pele após a exposição à radiação UV”, explica.

Ela conta que os extratos vegetais, com uma rica composição, também proporcionam outros benefícios, como melhora da hidratação e redução da aparência de pele envelhecida. Estudos avaliaram o resultado das vitaminas A, C e E isoladas e observaram efeitos na melhora da aparência da pele, devido a possíveis propriedades hidratantes e protetoras, com melhora na síntese de colágeno. Por isso, a decisão foi de associar as substâncias ativas com os filtros solares, para uma formulação de uso diário, com o objetivo de reduzir a aparência da pele fotoenvelhecida. “No nosso estudo, observamos que essa associação de ativos age na hidratação e na melhora da textura e da elasticidade da pele, além de ter uma ação protetora do DNA celular”, descreve.

Testes indicaram que o filtro solar provocou a redução da presença das proteínas p53 e caspase-3. Essas substâncias são marcadores genéticos para os danos celulares causados pela radiação solar. O produto também diminuiu a produção da metaloproteinase, conhecida por destruir o colágeno — a agressão a essa proteína deixa a pele flácida. Nas avaliações sobre as alterações celulares, a equipe utilizou uma técnica chamada de microscopia confocal de reflectância a laser para constatar que o filtro promove uma hidratação profunda com duração de oito horas. Foi possível perceber também o aumento da camada granulosa da pele, causado pelo estímulo à renovação celular. Aplicação

A dermatologista Meire Odete Brasil Parada, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica que existem dois fatores que causam rugas: os intrínsecos e os extrínsecos. Os primeiros têm relação com fatores genéticos e com a idade. Os últimos, com radiação solar, fumo, estresse e estilo de vida. Para prevenir as rugas é necessário evitar todos os fatores que as desencadeiam. “Claro que estamos falando no caso dos extrínsecos, pois na questão genética e na idade não tem como evitar”, destaca. Segundo ela, há como tratar rugas existentes ou até mesmo preveni-las, mas o cosmético só vai funcionar se a pessoa tomar todos os cuidados já citados anteriormente. Ela acredita que o filtro solar da USP pode ser ainda mais eficaz por ter na composição o ginkgo biloba e as algas marinhas, que agem na retenção de água, hidratando e mantendo a pele viçosa. “Além de ser um antioxidante, ele aumenta a proteção para a pele”, acredita. Testes Patrícia conta que, durante o estudo, a fórmula foi testada em diferentes tipos de pele e todas as voluntárias relataram que o teste sensorial da formulação agradava muito, pois não criava oleosidade. Ainda na fase de pesquisa, a equipe teve a parceria da empresa francesa Chanel, que foi importante para a realização de testes da formulação também em climas frios e secos e na pele sensível de mulheres francesas. Os resultados obtidos lá foram apresentados no Congresso Brasileiro de Cosmetologia — o mais renomado da área no país — e recebeu o prêmio de terceiro melhor trabalho apresentado. Outra empresa de cosmético que auxiliou na pesquisa foi a também francesa Evic. Lá, a pesquisadora realizou testes de compatibilidade dérmica, para atestar a segurança do uso na pele humana. A dermatologista Mayanna Maia afirma que os antioxidantes do filtro já são bem estabelecidos quanto à função proposta, no entanto, é seguro apenas para o uso no dia a dia, e não deve ser aplicado em exposições solares excessivas por ter baixo fator de proteção (20 FPS). “Acho que isso pode ser um aspecto negativo, mas os antioxidantes agindo no retardo do envelhecimento são muito positivos”, acredita. De acordo com ela, esse é um filtro viável, embora sejam necessários mais estudos que comprovem a eficácia do produto quando utilizado diariamente. Só assim é possível chegar a uma conclusão. Ela também considera importante os testes que avaliem a aplicação em qualquer tipo de pele, principalmente nas oleosas e sensíveis. “Não é qualquer protetor que funciona nesse tipo de pele”, diz. Patrícia informa que, após a finalização dos testes, a formulação será submetida a registro de patente e só então estará disponível para comercialização.

 

Acho que em breve teremos filtros solares com mais propriedades :D Viva!

Medicin – Estudo Clínico sobre olheiras

Essa é pra quem é de Osasco / SP ou região:

 

Tenho uma amiga que trabalha em uma empresa de pesquisa clínica de cosméticos chamada Medcin. Nessa empresa vai acontecer um estudo clínico sobre olheiras, onde vão estudar as pessoas com e sem olheiras. E quem participar não sai de mãos vazias: Ganha um kit da empresa patrocinadora!

Eu também trabalho com estudo clínicos (não de cosméticos, mas tá valendo!) e estou adorando a idéia! Já me inscrevi e vou no dia 2 \o/

Vejam o cartaz de divulgação:

 

Eles estão com horários bem flexíveis para o estudo, incluindo sábados e o feriado do dia 2. É pra ninguém perder! :D

Quem preferir, pode se inscrever também por email, direto com a Juliana Bueno –  julianabueno@medcinonline.com.br

 

Vamos todas? :D Quem for me conta o que ganhou! :D

 

Eficácia dos Conservantes – Challenge Test

Há um tempo atrás, mostrei aqui quais são os tipos de conservantes mais utilizados em cosméticos – sempre são usados em combinações, basta procurar a listagem de ingredientes para dsescobrir.

Hoje vou falar sobre o Challenge Test – o teste que mostra se a combinação destes conservantes é eficaz.

Por mais que a produção de um cosmético seja livre de contaminação, a partir do momento que o consumidor começa a utilizar um certo produto, existe um contato com o meio ambiente, permitindo a entrada de bactérias. Desta forma, se não houver um sistema eficaz para controle de microorganismos, o produto será contaminado rapidamente, com alterações de cor, cheiro e aparência, além de poder conter bactérias que causam doenças. Por todos estes motivos, foi desenvolvido pelo FDA um teste para avaliar a eficácia dos conservantes: o Challenge Test.

Como funciona?

Para determinar se a combinação e quantidade de conservantes é adequada ao produto, é retirada uma amostra de aproximadamente 20g e nela são colocados culturas de bactérias ou fungos – normalmente são utilizados os 5 microorganismos abaixo:

  • Staphylococcus aureus
  • Pseudomonas aeruginosa
  • Escherichia coli
  • Candida albicans
  • Aspergillus niger

Onde cada microorganismo é colocado em uma amostra separada. As amostras vão para uma estufa, onde ficam 48h (no caso de bactérias) ou 5 a 7 dias (no caso de fungos). Depois desse tempo, as amostras são avaliadas para descobrir se as culturas aumentadam ou diminuiram. Se aumentaram, o produto volta para formulação, pois é considerado contaminado. Se diminuiram – deve haver diminuição de 99% das bactérias e 90% dos fungos – o produto está aprovado para comercialização!

Um detalhe importante: Não basta o conservante ser eficaz para poder ser utilizado em cosméticos. Ele deve ser aprovado pela ANVISA, atóxico, naõ irittante, ter amplo espectro de atuação, ser efetivo durante todo o prazo de validade do produto, não afetar as propriedades do produto, ser biodegradável e ainda, ter um custo aceitável! Não é fácil! :D